29 fevereiro, 2016

Resenha - Depois de Auschwitz: O emocionante relato de uma jovem que sobreviveu ao holocausto

Título: Depois de Auschwitz: O emocionante relato de uma jovem que sobreviveu ao holocausto
Autora: Eva Schloss
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 304
Ano: 2013
Gênero: Biografia/Memórias/História

Sinopse: Em seu aniversário de quinze anos, Eva é enviada para Auschwitz. Sua sobrevivência depende da sorte, da sua própria determinação e do amor de sua mãe, Fritzi. Quando Auschwitz é extinto, mãe e filha iniciam a longa jornada de volta para casa. Elas procuram desesperadamente pelo pai e pelo irmão de Eva, de quem haviam se separado. A notícia veio alguns meses depois: tragicamente, os dois foram mortos.
Este é um depoimento honesto e doloroso de uma pessoa que sobreviveu ao Holocausto. As lembranças e descrições de Eva são sensíveis e vívidas, e seu relato traz o horror para tão perto quanto poderia estar. Mas também traz a luta de Eva para viver carregando o peso de seu terrível passado, ao mesmo tempo em que inspira e motiva pessoas com sua mensagem de perseverança e de respeito ao próximo – e ainda dá continuidade ao trabalho de seu padrasto Otto, pai de Anne Frank, garantindo que o legado de Anne nunca seja esquecido.
A resenha ficou um pouco longa, na verdade nem sabia o que dizer sobre esse livro que é um relato emocionante.

Logo que iniciei a leitura já percebi que iria gostar muito, dá para sentir o clima pesado, o sentimento de dor e pesar, mas esse livro mostra como uma sobrevivente volta a vida e não aceita se dizer uma vítima de tudo o que passou, ela quer deixar a dor para traz e tudo começa a acontecer quando ela finalmente começa a falar sobre tudo o que passou.
Eva foi enviada para um campo de concentração exatamente no dia em que completava 15 anos. No livro vamos saber como ela conheceu Anne Frank, os horrores que viveu durante o tempo que passou em Auschwitz, como sua mãe assim como ela se tornou uma sobrevivente, a perda do pai e irmão, a luta para voltar a viver uma vida normal, o envolvimento entre sua mãe e o pai de Anne.
Mesmo depois de muitos anos Eva carrega consigo as marcas daquela atrocidade, ela sempre soube que nunca mais seria a mesma pessoa e não gostava de falar do seu passado, mas foi quando recebeu um convite para fazer um discurso na abertura  de uma nova exposição sobre Anne Frank que ela percebeu que não poderia dizer não ao convite e que tinha chegado a hora de falar sobre tudo que aconteceu.
Ela acha incrível como mesmo depois do fim da guerra, de toda a dor e estrago que a guerra causou, as pessoas ainda se preocupam com questões como: cor da pele, orientação sexual e religião, esses temas ainda causam polêmicas e divisão em muitos países.
Depois que Eva começou a contar a sua história, ela não conseguiu parar mais, as pessoas queriam saber cada vez mais e isso a fez ir a vários lugares e escrever livros e assim conhecendo pessoas novas ela foi se modificando.
Eva priorizou principalmente conversar com crianças, ela acredita que assim poderá mostrar que há esperança sempre, ela sobreviveu e seguiu em frente passando seu ensinamento adiante.


Ela diz que acredita que sua personalidade a ajudou a sobreviver, ela sempre foi um tanto rebelde e teimosa, adorava o ar livre, gostava de explorar os lugares e era destemida e pelo visto foi essa teimosia em não querer sucumbir ao terror que fez com que ela passasse por tudo e conseguisse voltar para dar continuidade a sua vida.
Quando os nazistas chegaram a Viena, as pessoas estavam fazendo de tudo para fugir, algumas pessoas de sua família conseguiram ir para a Inglaterra, seu pai partiu para tentar conseguir um visto para eles e logo depois seu irmão Heinz partiu, pois estava correndo risco, Eva e sua mãe ficaram sozinhas, logo depois elas foram para Amsterdã, onde Eva conheceu Anne e sua família. Quando a Holanda foi tomada, elas tentaram fugir, mas não conseguiram e a partir do dia 15 de maio de 1940 estavam vivendo sob ocupação nazista.
No dia em que completava 15 anos ela e sua família foram capturados, primeiro foram enviados para uma escola que foi transformada em quartel, ela foi interrogada, apanhou e ouviu pessoas serem torturadas.
A viagem de trem até Auschwitz é angustiante e depois que chegam ao campo a incerteza do que vai acontecer é aterrorizante.
Quando a guerra chega ao fim, ela e sua mãe voltam para reconstruir suas vidas ela pensa muito em como será o seu futuro. E conforme vamos lendo vamos sabendo mais sobre a sua mudança para Londres, seu casamentos, os filhos, os netos, o casamento de sua mãe com Otto Frank, a divulgação do diário de Anne Frank e como surgiu a ideia de escrever o livro.

Uma leitura que todos devem conhecer, é como se estivesse vivenciando aqueles momentos de terror. Eva conta de uma maneira simples, direta tudo pelo que passou e como conseguiu superar o medo de falar sobre isso.
Um tio meu foi para a guerra e eu sempre tive muita curiosidade, sempre gostei de assistir filmes e documentários e sempre que tinha oportunidade pedia para ele contar algo, ele não gostava de falar muito no assunto, quase sempre contava as mesmas histórias e sempre dizia que o que mais o marcou era ver tantos mortos e o quanto a vida das pessoas não valia de nada, ele dizia que a crueldade era enorme.
Em muitos momentos eu tentava me colocar no lugar dela, será que eu teria força e coragem para enfrentar tudo que ela enfrentou?

Recomendo, uma biografia emocionante!!

16 comentários

  1. Oii tudo bem?
    Eu quero ler esse livro há séculos e sua resenha só me deixou mais ansiosa. Esse tipo de livro é o que eu acho que todos deveriam ler porque é mais que uma história. Mesmo com a tristeza que carregam sempre nos ensinam algo e são incríveis. Amei a resenha <3

    ❥Blog:Gordices Literárias

    ResponderExcluir
  2. Por algum motivo obscuro eu sou aluno nada por estas histórias do Holocausto. Devoro todas e tenho uma lista aqui para ler ainda. É um assunto que me aguça a curiosidade de uma forma louca. Eu já ouvi falar desse livro, mas não li ainda. Vc só me atiçou mais kkkkkk
    Vou subir ele na minha lista aqui! Hahahahaha

    >> Vida Complicada <<

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Ainda não tinha ouvido falar neste livro, mas sem dúvida fiquei muito interessada nele, costumava ler muitos livros com o tema Auschwitz e agora tem uns anos que não leio mais nada. Li O Diário de Anne Frank e é um dos melhores livros que li na vida, agora também quero ler este, obrigada pela dica!

    Beijo, Van - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nunca li nada, fora nos livros escolares, sobre o essa época. Mais esse livro me chamou a atenção, uma por ter uma narrativa intensa, além de emocionante, e por contar uma parte da história mundial super importante.
    https://cacadorasdespoiler.wordpress.com/blog/

    ResponderExcluir
  6. Oi!!

    Adoro livros assim, onde quem vivenciou o holocausto narra através de seus olhos a visão dos fatos. Onde toda a literatura é contada por essa pessoa, suas emoções, momentos, amizades.... esse é um livro que com toda a certeza iria ler. E concordo com ela, realmente por tudo que o ser humano já passou, ainda deixa a desejar quando o assunto é preconceito.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oi Liziane, parabéns pela coragem de ler um relato tão forte como este. Eu não conseguiria! Só de imaginar o que meus avós/bisavós passaram me deixa tensa, isso porque nunca contaram suas histórias pra gente haha.
    Beijão, Mari

    ResponderExcluir
  8. Oi, Liziane!
    Essas temáticas de guerra e nazismo realmente são fortes e é preciso fôlego - e quem sabe até um pouco de psicológico - para ler memórias tão reais e profundas assim. Apesar de que sempre tive vontade de ler O Diário de Anne Frank, mas não sei em que momento realmente estaria mais disposta para fazer sua leitura, não é algo para ser lido a qualquer hora, sem mais nem menos. Curioso isso da mãe da Eva e o pai da Anne terem se conhecido e se casado ainda, é como se os dois relatos se unissem de uma forma única e inesperada, interessante.
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional ♥

    ResponderExcluir
  9. Oi Liz!

    Fiquei muito envolvida lendo sua resenha e apesar de nunca ter lido uma biografia, fiquei super interessada em conhecer a história da Eva, pois sua resenha me deixou curiosa, além disso, a história dela faz parte de uma parte da humanidade e deve ser lida por todos. Com certeza vou me emocionar muito e saber que o livro te deixa tão envolvido a ponto de sentir toda a carga emocional vivida pela autora, me dá a certeza que quero muito lê-lo!

    Da Imaginação à Escrita

    ResponderExcluir
  10. Olá Lizi,

    Eu não li ainda o livro, eu meio que estou fugindo desse estilo de enredo. Estou a procura de livros mais leves e divertidos.
    Mas sempre tive curiosidade com a obra, na verdade com tudo que diz respeito ao periodo, pois acho que é um evento de extrema importancia e não importa o quanto lemos sobre, sempre vamos nos surpreender.
    Sobre essa obra em especifico, eu achei mais interessante que o que eu já vi por ai.
    Quando você disse que sua resenha ia ficar longa, eu pensei que ia ser bem mais. Você conseguiu ser bem sucinta nas palavras.
    Parabéns!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Tudo que se relaciona com a Segunda Guerra Mundial me chama a atenção, principalmente relatos de sobreviventes aos campos de extermínio, então claro que já estou de olho nesse livro há algum tempo. Achei muito legal a autora priorizar conversa com crianças querendo mostrar que há esperança sempre. Não sabia que ela tinha conhecido a Anne Frank nem que o Otto tinha se envolvido - e se casado - com a mãe dela, fiquei curiosa para saber mais.

    Beijo.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  12. Oi!
    Eu tenho esse livro aqui, mas confesso que sempre pulo ele por ter certeza que será uma leitura dolorosa e impactante, e sem dúvidas é isso mesmo.
    Acho super importante pessoas que viveram o que ela passou relatarem isso, por mais doloroso que seja, mas esses relatos servem para ter esperança de um futuro com mais aceitação, onde você possa dizer com certeza que toda essa atrocidade nunca vai acontecer novamente.
    Espero um dia ainda criar coragem e coneguir ler esse livro.

    www.gordinhaassumida.com.br

    ResponderExcluir
  13. Lizi, livros que retratam os horrores da guerra sempre me chamam atenção, mas apesar disso tenho muito receio com livros biográficos, medo de serem leituras arrastadas e que eu acabe me enfadando ao ler. Não conhecia a história desse livro e achei interessante por estar interligado a história de Anne Frank, talvez um dia eu dê uma chance

    ResponderExcluir
  14. Eu li Anne Frank e foi uma leitura incrível e bela, então não vejo porque não ler esta obra também. Eu adoro tramas que mostram detalhes e relatos sobre a II Guerra Mundial. Não conhecia a obra ainda, infelizmente, mas agora já posso colocá-la nos desejados, pois faço questão de conhecer essa história!
    Amei sua resenha, deu para ver o quanto a obra te tocou.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  15. Sou fascinada por histórias sobre a segunda guerra mundial, sendo reais ou narrações criadas. Li Anne Frank e realmente é sensacional, é um livro que não tem fim, interrompido e angustiante. Já acrescentei na minha lista de leituras, não tinha conhecimento deste livro antes. Amei a resenha!
    Beijo grande,
    Café, Vodka e Literatura

    ResponderExcluir
  16. Uau, me arrepiei, flor.
    Adorei saber que esse livro é um relato real. Não tinha entendido isso, na verdade só tinha visto a capa dele. Pensei que fosse um romance apenas contextualizado na Segunda Guerra, mas saber que é um relato tão emocionante e impactante ganhou minha atenção. Com certeza, pretendo conhecer a Eva... sua versão adolescente e sua versão adulta, como sobrevivente desse terror.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir

Olá!!!
Obrigada pela visita.
Sua opinião é muito importante para mim.
Deixe o link do seu blog ou site para eu retribuir a visita.
Beijos Lizi